Não há como deter a alvorada


Ao som de Partir, Andar.



Dias correm, emaranhados, entre tropeços e conversas que se desencontram. Você me faz parar enquanto o mundo rodopia. Eu percorro dias frios e confusos e a realidade cada vez mais insiste em me fazer despertar da rotina. Quer me despejar. Em algum lugar distante alguém pergunta por mim, dedica uma canção, me enobrece, mas meu coração se diz fechado para visitas.
Não estou alugando palavras, não estou correspondendo a todos. Digo a mim mesma que o tempo tá curto e caro demais pra me dar o luxo de me apaixonar. Você me cativa com tua sensibilidade camuflada. Eu estou me soltando aos poucos ao mundo, não sei entrar por inteira.
Estou diante dessa imensa porta, olhando tudo com meus olhos limitados. Meus passos são lentos mas sinto algo a me empurrar. Seria finalmente a desproteção materna ou então as decisões em minhas mãos? Um soluço inaudível a corromper a silêncio de minha alma enquanto externamente eu me preparo.
Estou prestes a dar a cara para que o mundo me bata, me faça tua, me ensine. Enquanto deixo as palavras ecoarem na vida das pessoas que amo e nas que deixei de amar. Deixo minha limitação para trás, deixo meu passado nestas ruas cotidianas. Deixo teus olhos tristes com saudade do que não aconteceu.
Florescerão coisas novas neste chão que ninguém pisa, os raios deste sol transpassarão pela dura camada que carrego e me tornará nova. Seguirei o rumo que o vento me levar, mas não pra tão distante, pois meu coração permanece aqui.

10 comentários:

  1. Tempo, sonho, espera, desejo. Deixe tudo aquilo que amarra-te , deixa-te livre para caminhar e sentir onde o vento á leve. Siga em frente, sem temer o que fica, ou perdeste, o coração fica onde os sonhos são plantados.

    Gostei do texto!

    ResponderExcluir
  2. Liberte-se! E, ao contrário do que nos disse o grande Amyr, é preciso sim sonhar... Sempre. Sonhamos encontramos o nosso paraíso perfeito. Seu texto é muito legal!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Amei o texto. Sabe, é muito bom arriscar e se deixar levar, mesmo que doa um pouco. Porque no fim será dali que tirará as maiores forças. Parabéns =)

    http://epistolasextraviadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, parabéns pelo seu blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  5. Como é bom te ler, Ana. A última frase me deixou fazendo rodeios mentais, tentando tirar conclusão de se isso que eu li não era também minha própria vida. E bem provável que seja. Obrigada por palavras tão lindas - e cada vez mais sensíveis e únicas. Faz um bem enorme pra quem te lê. Beijos, Bia.

    ResponderExcluir
  6. Olá, nossa que texto lindo, me identifiquei tanto!
    Primeira vez que visito seu blog e já achei textos incrìveis, parabéns *--*

    Beijoo'
    @Glendaa_s2
    http://lonellygirls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Andei lendo alguns posts aqui e fiquei a pensar que outro nome não cairia tão bem quanto este pra cá.
    Tem muita alma, verdade.
    E gosto. Fico.

    ResponderExcluir
  8. E é assim que a gente aprende. Se arriscando, acreditando, levando 'porrada', se é que você me entende. É quando a gente sai do colo da mãe que o mundo ensina que ele não é para os fracos.

    Adorei teu blog, seguindo aqui.

    Um beijo, Misunderstood.

    ResponderExcluir
  9. Mais uma vez estou abismada, chocada, tudo "ada" com as tuas palavras.
    Não sei nem mais o que dizer, pois sempre que leio um texto teu me identifico demais, parece até coisa de outro mundo isso. o.O
    Mas, parabéns Ana, incrível mesmo. ♥

    ResponderExcluir
  10. "Digo a mim mesma que o tempo tá curto e caro demais pra me dar o luxo de me apaixonar." < Pois é, pois é. Também digo isso. Gostei!
    Beijos, Ninhada Literária

    ResponderExcluir

Não comente apenas esperando retribuição. Exponha-se, interrogue, critique, elogie, defenda o que te resta de mais valioso: a opinião. (Ana Paula Ribeiro)